agora a sério

Elas fazem aqueles sons/gemidos/balidos/grunhidos para ver se a outra se parte a rir não é?

*Adenda: Depois de descobrir que o nome verdadeiro da garota é Micaela Carolina, consigo perceber um bocadinho a vontade de gritar (se não acreditam vão ver aqui  http://pt.wikipedia.org/wiki/Michelle_Larcher_de_Brito)

agora a sério

Se tens menos de 18 anos

São só ideias

devias ser obrigada a ler este texto. E às vezes, com mais também.
O teu namorado de 16 anos não é nervoso, é uma besta

Enviar-te 35 mensagens durante o dia a dizer que te ama e a perguntar onde estás não é uma prova de amor. É uma prova de que ele é um controlador e que, se tu deixas que ele o faça e não pões um travão a tempo, a coisa só vai ter tendência para piorar ainda mais.
Fazer-te perguntas sobre dinheiro não é indício de estar atento aos tempos difíceis em que vivemos, e reflexo de uma educação de poupança. Falar muitas vezes disso indica, isso sim, que um dia ele vai querer controlar o teu dinheiro. Aliás, se dependesse dele, era ele que geria já a tua mesada. Quanto gastas. Quando gastas. Em que gastas. Quando deres por ti, estarás a pedir-lhe autorização para…

View original post mais 546 palavras

Se tens menos de 18 anos

music mondays

E estamos de volta aos sons bem legais do Brasil, é que isto agora eles andam aos pares!

Primeiro a Mallu Magalhães a amigar-se com o Marcelo Camelo, e agora aparece em cena a dama do sr Criolo, que já gabei há uns valentes posts atrás…

Senhoras e senhores, com vocês, Tulipa Ruiz (em digressão por Portugal esta semana, datas mais abaixo):

 

 

music mondays

a valsa do proletariado

…ou o nosso triste fado.

Numa época em que os negócios retro-chic-fui-eu-que-fiz e modus vivendi “keep calm and carry on” nascem como cogumelos e são pregados aos 7 ventos eu faço parte dos outros.

Faço parte daqueles que não se podem queixar porque têm um trabalho , que é melhor pago do que as outras ofertas que vão aparecendo (por isto entenda-se pouco acima do salário mínimo) e, mesmo que não gostem dele, têm que o aguentar porque esses trocos são contados e até agora não deu para fazer porquinhos mealheiros.

E é assim, a roda da frustração continua a girar.

Orgulloso de estar entre el proletariado
es difícil llegar a fin de mes
y tener que sudar y sudar
“pa” ganar nuestro pan.
Éste es mi sitio, ésta es mi gente
somos obreros, la clase preferente
por eso, hermano proletario, con orgullo
yo te canto esta canción, somos la revolución.

 

a valsa do proletariado

recuerdos de salamanca, em directo dos cuidados paliativos dos “tefones” modernos

Agora que o meu smartphone ficou veramente ligado às máquinas parece-me que não há mais photo challenge para ninguém nos próximos tempos. Como tal, e como homenagem ao combalido, ficam as provas de como se esforçou e deu o seu melhor neste fim-de-semana prolongado em Salamanca. Uma cidade que até então me tinha passado ao lado, tão bonita de ver e agradável para passear, e mesmo aqui ao lado!

Igrejas, gárgulas, estudantes (mais estrangeiros do que espanhóis) de bicicleta, empregados de restaurante antipáticos, lendas medievais, jardins escondidos com vistas sobre a cidade e gelatarias em cada canto… estamos em Salamanca e isto é España, não há dúvidas.

1. vista da ponte romana 2. Biblioteca / "Casa de las Conchas" 3. Poço com cadeados apaixonados no Huerto del Calixto 4. Pátio interior do nº3 5. Catedral Nueva 6. Plaza Mayor
1. Vista da ponte romana 2. Biblioteca / “Casa de las Conchas” 3. Poço com cadeados apaixonados no Huerto del Calixto 4. Pátio interior do nº3 5. Catedral Nueva 6. Plaza Mayor
recuerdos de salamanca, em directo dos cuidados paliativos dos “tefones” modernos